#35 A vila abandonada de Mukainokura


Inuzukadorf

Konbanwa Minna

 

A vila abandonada de Mukainokura



Hoje trago um pouco de uma outra vila abandonada no Japão…

Segue adaptação:

O assentamento abandonado de Mukainokura está localizado nas profundezas das montanhas da província de Shiga, Japão, e foi em seus tempos áureos, um importante lugar na produção de carvão vegetal.
Não se sabe com exatidão quando a vila foi abandonada…Acredita-se que por volta do ano de 1965.
A região possui vários assentamentos em ruínas e tivemos a impressão de que restam poucas casasainda de pé no local alvo desta exploração.
Decidimos iniciar esta publicação, apresentando também uma parte da vila de Kouzukura.

Um ônibus abandonado na beira da estrada.
Parece que o veículo foi queimado.


O mesmo parece ter acontecido com uma pequena caminhonete estacionada do lado do ônibus.

O que será aquilo?

Um vagão de trem? Por quê?
Nossa…Quanto mais rural é a zona, mais mistérios se encontra…


É primeira vez que vejo este modelo de telefone público.

(Está escrito na portinhola: Telefone – Telefone público com transmissão a cabo. NDT. rusmea.com)

Nas grandes metrópoles, as mudanças são tão rápidas e intensas que chegam a dar tontura, mas aqui…É um outro universo…

(Altar em honra ao “Grande deus da montanha”. NDT. rusmea.com)

Fomos tomando fotos e acabamos passando pelo objetivo…Assim que retornamos o caminho.

O assentamento se encontra no alto e basta seguir por uma estradinha na montanha.
No momento em que íamos tomar o caminho, um senhor apareceu portando um rifle.
Ao perguntarmos, nos disse que estava caçando veados…Sentimos um certo alívio por não sermos confundidos com a caça.
A situação me fez lembrar de um episódio do desenho animado Tom e Jerry.

Uma vida passada inteira, está voltando aos poucos à natureza.

Ao pensarmos que restavam ainda algumas casas, nos dirigimos aos fundos para constatar que…


…Restam apenas as paredes, causando essa impressão.
É inacreditável que pessoas viveram aqui um dia.

Tudo o que possui forma, um dia se destruirá. (Ditado muito comum na Ásia.NDT. rusmea.com)

As máquinas de lavar roupas totalmente automáticas são muito úteis.
Antigamente era preciso passar por um rolo movido à manivela, para tirar o excesso d’água.

Um caldeirão é o centro das atenções, iluminado como uma estrela em um palco.
A maioria dos objetos aqui encontrados, já não são mais utilizados na vida cotidiana atual, no entanto, a vida  parecia girar em torno desses utensílios naquele tempo.

Há uma que outra casa que não ruiu.
Até onde vimos, esta é a única construção totalmente de pé na vila abandonada.

Um respeitável portão antigo.

Esta casa tampouco irá durar muito.

As portas* estão empenadas.
Perdendo a luta contra a gravidade.

* (As portas Shoji são cobertas com papel tradicional japonês, Washi. NDT. rusmea.com)

Esta era a casa da família Ueda. As  letras de Mukainokura estão inscritas nestas cartas.

Uma caldeira.
Evidentemente que nunca utilizamos uma dessas em nossas vidas.


Um antigo jornal de 1956 (Showa ano 31).
O conteúdo fala dos melhores jogadores de baseball, eleitos por votação dos fãs.
Kawakami Tetsuharu, jogador do Yomiuri se encontra entre os prediletos.

(No alto do jornal: “Os 9 melhores são eleitos”– À direita: “Em outro lugar – O confronto de Aramaki”. NDT. rusmea.com)

 
A parede sul não tem mais portas e a luz do sol adentra livre e solta.

Um kit de costura.
Cada objeto abandonado nos fazem sentir o peso da história.


Cartão de felicitações pelo ano novo.
O cartão possui apenas o nome da família Ueda e ‘Mukainokura’ como endereço, no entanto, bastava isso para que a correspondência chegasse sem problemas.

Remédio para fazer nascer cabelos.
Com esse produto, o leitor poderá ter também grossos tufos de cabelos luxuriantes!


A entrada da casa de chão batido (Doma).
Atualmente, tal espaço está cada vez mai raro no Japão e ultimamente, ficam localizados nos fundos das casas.

O armário para sapatos.


Um tamanco tradicional (Getá).
Maiormente utilizados hoje em dia, em lugares de águas termais (Onsen).

A água da banheira (Furô) era aquecida com lenha naquele tempo.


O modelo de interruptor de luz, nos faz sentir o peso dos anos.

Uma caixa de Neri-Youkan?**


**(Neri-Youkan é um tipo de doce semelhante a uma gelatina de consistência dura. A textura se parece com a de “gominhas” do Brasil. Feito com pasta adocicada de feijão vermelho adzuki.

São comercializados em blocos e se saboreia em fatias bebericando chá verde amargo. Existem dois doces nessa categoria: O Neri-Youkan e o Mizu-Youkan, ou “Youkan de água” cujo nome indica que contém mais água e frequentemente é saboreado congelado no calor do verão.NDT. rusmea.com)

Um jornal de 1967 (Showa ano 42).
Ao que parece, ainda residiam aqui nessa época.

Há vários depósitos como este. 
Era um tempo em que guardavam as coisas importantes.

Parece que este depósito foi saqueado.


Aqui nós decidimos regressar à vila de Kouzukura.


Descemos uma vez de Kouzukura e voltamos subir.

Ainda existem muitas casas na vila de Kouzukura. 
Porém, não se vê pessoas.

Lá em frente está um templo. 
Possui um visível aspecto de importância.


É um santuário pequeno, mas ainda em atividade.



É uma lástima que quando as pessoas deixam de morar em um lugar, imediatamente as casas são saqueadas ou vandalizadas.

E no fim, acabam como a vila de Mukainomura…

Apesar da destruição, ainda resta o cheiro das pessoas que um dia viveram aqui.
É cruel demais, chamar um lugar como este de ruínas…

Enquanto que nas metrópoles as construções se multiplicam, existem regiões em que o despovoamento avança rápido…

Em regiões montanhosas, talvez seja difícil demais manter as tradições herdadas dos antepassados…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s